Fortes entranhas.

Tudo que eu sinto é meio forte

Talvez eu seja muito forte e sinta coisas fortes.

Desde pequena sinto fortemente as coisas.

Apenas um resfriado parecia que me sufocava,

Um arranhão no joelho e já achava que ia sair todo o sangue do meu corpo.

Um doce depois do almoço já me sentia uma princesa.

Um ataque  de raiva e já sentia meu corpo todo se inundar por ódio.

Um probleminha e já me sentia impotente diante o mundo todo.

Uma pedra no meio do caminho e achava que teria de escalar montanhas.

Um simples garoto e me fechei por um ano inteiro.

Um sorriso escondido e o coração já pulou para saturno.

Um SIM  e senti que podia voar.

Uma coisa estranha e o mundo gigante já se torna um estranho a mim

E esse estranho gigante

Eu não sei se é bom para mim

Porque pode mudar a qualquer hora.

Espero que não.

Espero que seja o que aparenta ser,

E ele seja tão bom pra mim, quanto imagino que sou para ele.

Muito forte sou para me livrar dessas estranhas,

E elas fortes demais para serem livradas.

 

 

Noite estranha

Já são meia noite e não tenho mais meus sentidos completos

a vódka já está com gosto de água

e nem sei onde estou.

Como vim parar aqui mesmo? Talvez nem esteja aqui, mas agora não importa mais.

Ficar bêbada nunca foi tão estranho como agora

Nossa, nunca foi desse jeito.

O que mudou tanto assim?

O barman está balançando as garrafas que chamam meu nome

É, estão todas implorando minha boca

Tudo divertido, tudo embaralhado

A ressaca vai ser das fortes.

Já é de manhã e ressaca da noite estranha ainda está na minha cabeça.

Já passou metade do dia e ela ainda no corpo.

Já é noite e ainda minha cabeça roda.. roda e roda.

É, não estava de ressaca.

Estava em minha mais plena consciência.

Consciência de que queria aquela sensação em mim todos os momentos do dia.

Plenamente louca e sedenta das garrafas do barman, e da vódka com gosto de água.

Poderiam ser todos os dias, as minhas noites estranhas.